Câmara capacita mulheres do bairro da Boa Esperança

Educação Ambiental

Câmara capacita mulheres do bairro da Boa Esperança

A transformação de materiais recicláveis em algo útil que pode ser vendido é o objectivo de uma formação que decorre até Dezembro em Sal-Rei para mais de 20 mulheres do bairro da Boa Esperança, promovida pela câmara local.

Segundo a técnica responsável pela área do Ambiente, Água e Saneamento, Kátia Ramos, com esta formação, que arrancou a 10 de Outubro, a Câmara da Boa Vista pretende trabalhar a questão ambiental, da promoção social e do resgate da cidadania através do desenvolvimento de actividades que podem gerar rendimento para as formandas.

Para o efeito, conta com o apoio de uma formadora voluntária, a ‘designer’ local Vanda Fernandes, e tudo o que for confeccionado será exposto, além da oportunidade dada pela formadora em ceder espaço na sua loja para colocar e vender produtos resultantes das habilidades que essas mulheres forem adquirindo durante estes dois meses, confirmou Kátia Ramos.

Anunciou, para todo o ano de 2015, a realização de um curso modular que envolverá vários materiais e várias técnicas. A ideia dessa formação não é só aprender a fazer um objecto, mas sim falar sobre o material, de como é constituído e como pode ser transformado em algo útil para ser vendido, explicou.

Mulheres das comunidades mais carentes da Boa Vista serão as beneficiárias deste curso, assegurou Kátia Ramos, que conta com um despertar de interesse por esta área por parte das mulheres actualmente em formação, antes desse investimento de maior porte, que é uma capacitação profissional com a duração de 12 meses.

Também em 2015, informou, a Câmara vai apoiar famílias muito carenciadas com a construção de 30 casas de banho em três localidades, um projecto que vai ter também uma componente da educação para a higiene, com vista à mudança de atitudes e de comportamentos rumo a uma maior qualidade ambiental nas diversas comunidades da ilha.

No sector da água, a autarquia tem em curso um projecto para fazer a monitorização e o seguimento da qualidade microbiológica e físico-química da água para o consumo, em parceria com um laboratório especializado, indicou esta responsável.

Kátia Ramos afiançou que, em relação ao ambiente marinho, o seu departamento está a desenvolver campanhas de sensibilização para a preservação, a par de campanha de limpeza realizada a 20 de Setembro desde a praia de Davi até à praia de Chaves que contou com mais de 150 voluntários.

“A partir de agora, a nossa intenção é fazer uma campanha bimestralmente nas praias e outra bimestralmente nas comunidades, o que significa que, a partir de agora, todos os meses, há uma campanha de limpeza”, sublinhou.

A técnica responsável pela área do Ambiente, Água e Saneamento saudou a possibilidade de reforçar a fiscalização das praias com a presença de militares, mas defendeu que é preciso aprovar uma legislação mais adequada para a questão da apanha da tartaruga.

Enquanto câmara, confirmou todo o apoio “possível e necessário” à iniciativa, designadamente às ONG responsáveis por esse projecto, ao mesmo que está a elaborar um guia de boas práticas no turismo, que fala principalmente da questão das tartarugas e das moto 4.

Kátia Ramos adiantou que, a 20 de Novembro, o comité ambiental da Boa Vista, presidido pela Câmara Municipal, deverá montar o plano estratégico para a educação ambiental para 2015 que deverá integrar as acções a serem desenvolvidas por todos os parceiros que intervêm nesta matéria.